Get Adobe Flash player
Anticor - Anticorrupção na França
Galeria Edemar Cid Ferreira
Home Sala dos Escândalos

postheadericon Sala dos Escândalos

AddThis Social Bookmark Button

postheadericon Escândalo da Fundação José Sarney

AddThis Social Bookmark Button

Criada em 1990, como Fundação da Memória Republicana, com poucos meses de existência recebeu do governo maranhense a posse do antigo Convento das Mercês, imóvel tombado pelo IPHAN, em 1974. Em 2009, rebatizada de Fundação José Sarney, um “monumento à auto-exaltação de José Sarney”, vira alvo de denúncias de desviou de verba pública. “Fundação Sarney desvia recursos da Petrobras” - com essa manchete de primeira página, a edição do jornal O Estado de S. Paulo, de 09/07/2009, denunciou que a Fundação José Sarney, criada em 1990, como Fundação da Memória Republicana pelo senador José Sarney para manter um museu com acervo do período em que ele foi presidente da República (1985/1990), havia desviado dinheiro para empresas fantasmas e outras ligadas à família de José Sarney e de assessores.

postheadericon Caso do vazamento de dados sigilosos da Receita Federal

AddThis Social Bookmark Button

Também conhecido como "caso do vazamento de dados sigilosos de pessoas ligadas ao PSDB", tem entre seus principais envolvidos Verônica Serra (à esq.), filha do candidato à Presidência José Serra (PSDB). O vazamento de dados dela e de pessoas ligadas ao partido virou protagonista da disputa eleitoral. Serra acusou a candidata do PT, Dilma Rousseff, e a campanha petista de envolvimento no caso. Dilma negou qualquer relação de sua campanha com o caso. O caso envolvendo quebras de sigilo de dados fiscais de pessoas ligadas ao PSDB teve origem em reportagem divulgada pela Folha de S. Paulo, em 12 de junho 2010, mostrando que a "equipe de inteligência" da pré-campanha de Dilma Rousseff (PT) levantou e investigou dados fiscais e financeiros sigilosos do vice-presidente-executivo do PSDB, Eduardo Jorge, o EJ.

postheadericon Escândalo dos atos secretos do Senado

AddThis Social Bookmark Button

Súmula antinepotismo publicada pelo Superior Tribunal Federal (STF), que proibiu a contratação de parentes até terceiro grau nos três Poderes, foi o estopim para a descoberta de atos secretos publicados pelo Senado Federal. A edição da Súmula nº 13 do STF no final de agosto de 2008, que vedou o nepotismo nos órgãos públicos, desencadeou uma onda de demissões em órgãos públicos. Ao final do primeiro mês, 163 pessoas haviam sido exoneradas em 11 Tribunais de Contas Estaduais, outros 11 TCEs já haviam demitido ou criado regras para contratação de parentes, antes da edição da súmula. Essa eficiência passou ao largo do Congresso Nacional, principalmente quando um parecer jurídico do advogado-geral do Senado, Alberto Cascais (à esq.), aprovado pela Comissão Diretora, abriu uma brecha para manter a nomeação de parentes, desde que tivessem sido nomeados antes da posse dos senadores.

postheadericon Caso do dossiê contra Serra na campanha 2010

AddThis Social Bookmark Button

Espionagem a Serra custaria R$ 1,6 milhão. Delegado disse à revista Veja ter sido procurado por representantes do PT. Partido e comitê de Dilma Rousseff negam envolvimento com o caso. A montagem de um time de arapongas para produção de dossiês contra o pré-candidato do PSDB, José Serra, por parte da equipe de coordenação da pré-candidata Dilma Rousseff provocou desconforto no comando da campanha petista para presidência em 2010. Não foi a primeira vez que petistas tramaram dossiê contra o candidato tucano: em 2006, quando Serra disputava o governo do Estado, a polícia interceptou a negociação de um dossiê e o caso ficou conhecido como Escândalo dos "aloprados", nome dado pelo então presidente Lula aos petistas acusados de orquestrarem o dossiê.

Mais Artigos...