Get Adobe Flash player
Anticor - Anticorrupção na França
Galeria Edemar Cid Ferreira
Home Em Exibição Portal inédito identifica riscos de corrupção de fornecedores e prestadores de serviço

postheadericon Portal inédito identifica riscos de corrupção de fornecedores e prestadores de serviço

AddThis Social Bookmark Button
A necessidade das empresas adotarem programas de compliance efetivos vem ganhando cada vez mais relevância com a vigência da nova lei anticorrupção brasileira (12.846/2013), que responsabiliza objetivamente as empresas, nos âmbitos administrativo e civil, pelos atos de corrupção praticados por terceiros em seu interesse ou benefício. Não são poucos os casos em que grandes empresas tiveram sua reputação e imagem colocadas em risco por atos ilícitos praticados em seu nome por terceiros. Ainda assim, muitas delas não estão devidamente preparadas para fazer o monitoramento dos prestadores de serviços, representantes, parceiros de negócios, fornecedores e consultores, de acordo com as exigências da nova lei. Pesquisa realizada pela ICTS, empresa de consultoria, auditoria e serviços em gestão de riscos, sobre a maturidade dos sistemas de prevenção à corrupção nas empresas brasileiras corrobora esta percepção: 75% das pesquisadas não tinham um processo implantado de due diligence de terceiros.

Atividade essa que engloba a análise e avaliação detalhada de informações e documentos de terceiros, com o objetivo de identificar possíveis riscos que a relação possa trazer para a empresa. Além disso, 39% não tinham conhecimento dos riscos advindos da relação com terceiros.

Para auxiliar as empresas nesta importante tarefa de monitoramento, a ICTS acaba de lançar uma ferramenta inédita no Brasil: o Portal de Due Diligence de Terceiros(http://www.icts.com.br/v2/servico/visualizar/Due_Diligence_de_terceiros) para a identificação de riscos advindos de terceiros com foco em riscos oriundos de atos de corrupção.

“A solução desenvolvida pela ICTS veio preencher uma lacuna no mercado, pois não é possível identificar riscos de terceiros apenas com pesquisas parciais em mídia, prática bastante comum, mas que por si só não protege as empresas contra esta possibilidade”, informa Heloisa Macari, sócia-diretora da ICTS.

Como funciona

Por meio de um portal de acesso, é realizada a classificação, análise, graduação de risco e a documentação de todo o processo da due diligence dos terceiros. A análise é realizada em três níveis progressivos de verificação, baseada no status e histórico do terceiro, no setor em que atua e no grau de dependência da empresa em relação ao terceiro.

• Nível 1 traz uma pesquisa quantitativa com a classificação do índice de risco.
• Nível 2 faz uma análise qualitativa mais detalhada de mídias e red flags apontadas no nível anterior.
• Nível 3 traz uma pesquisa aprofundada de investigação e auditorias direcionadas para casos específicos.

“Trata-se de um processo gradativo de afunilamento, que leva as empresas a direcionarem seu foco nos terceiros mais críticos”, acrescenta Macari.

O primeiro passo no processo de due diligence envolve o envio e preenchimento de questionários customizados aos terceiros e contratantes. As pesquisas de mídia, pesquisas de processos judiciais e pesquisas em watchlists (busca automática em base de dados) ocorrem no ambiente online, com abrangência em mais de 150 países, com cerca de 14 mil fontes em 22 idiomas.

Benefícios

Com uma metodologia estruturada para apontar o grau de risco dos terceiros, o Portal torna efetivo o programa de compliance em escala global, traz eficiência na gestão de riscos advindos de terceiros, fornece visão dos riscos de uma forma ampla e pragmática, realiza a avaliação progressiva dos riscos em diferentes níveis de verificação, garante segurança e rastreabilidade com registro e documentação em base de dados única e, finalmente, permite automação e acessibilidade a todo o processo de due diligence, possibilitando tomada de decisão rápida e eficiente.

Grandes organizações brasileiras já utilizam o Portal de Due Diligence de Terceiros, o que possibilitou à ICTS ter uma base de dados rica sobre a situação de risco de diversas empresas.

Numa recente compilação de parte dessa base de dados, é possível se ter uma ideia do risco que as empresas estão expostas através de seus terceiros. A análise de risco no nível 1, de cerca de 400 fornecedores, apontou que 5% apresentaram alto risco e 95% baixo risco. “Isto não significa que estes 5% são empresas corruptas. O que recomendamos é que estas empresas passem para o nível seguinte de análise”, completa Heloisa Macari.

Para mais detalhes sobre o Portal de Due Diligence de Terceiros, acesse ohttp://www.icts.com.br/v2/servico/visualizar/Due_Diligence_de_terceiros

Conheça também o Portal de Compliance ICTS, plataforma idealizada pela ICTS para fornecer informações ao mercado sobre a necessidade de Compliance nas organizações hoje.www.portaldecompliance.com.br

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar