Get Adobe Flash player
Anticor - Anticorrupção na França
Galeria Edemar Cid Ferreira
Home Em Exibição PF faz buscas na sede da Petrobras no Rio

postheadericon PF faz buscas na sede da Petrobras no Rio

AddThis Social Bookmark Button

Agentes da Polícia Federal (PF) realizaram buscas na sede da Petrobrás nesta sexta-feira, 11, de acordo com informações de um segurança da entrada do estacionamento do prédio, na Avenida Chile, no centro do Rio. A ação faz parte da segunda etapa da Operação Lava Jato, de combate a lavagem de dinheiro. A PF cumpre 23 mandados de busca, apreensão e prisão nas cidades de São Paulo, Campinas, Rio de Janeiro, Macaé e Niterói. Estão previstas duas prisões temporárias, seis conduções coercitivas – quando a pessoa é levada apenas para prestar depoimento – e 15 buscas e apreensão. Pela manhã havia sido informado o cumprimento de 21 mandados, sendo dois de prisão, quatro conduções coercitivas e 15 de busca e apreensão. "A PF representou por estes mandados para buscar documentos que auxiliem os trabalhos da investigação. O material arrecadado hoje contribuirá para os relatórios finais dos inquéritos em andamento", informa nota publicada pela PF. Nesta fase da operação o foco são as relações do esquema criminoso com a Petrobrás. A estatal foi procurada, mas ainda não se pronunciou. Na primeira etapa, desencadeada em março, a polícia prendeu o doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás Paulo Roberto Costa.

Segundo o profissional da estatal, ele foi informado da entrada dos agentes da PF pelo colega do turno anterior. A passagem de turno ocorre às 10 horas. Por isso, o segurança ouvido pelo Estado não soube precisar quanto tempo os policiais ficaram no prédio, nem o horário exato da chegada.

De acordo com o segurança da sede da Petrobrás, os policiais entraram à pé, pelo estacionamento, e foram recebidos por funcionários do setor jurídico da estatal, que desceram para receber os agentes da PF. Perguntado se os policiais foram cumprir mandados de busca, o segurança respondeu: "Não eram mandados, mas intimações". Questionado se ele ou o colega haviam visto os documentos mostrados pelos policiais, o segurança respondeu negativamente, creditando a informação aos advogados da Petrobrás.

Uma das empresas que estariam sendo investigadas nesta etapa da operação seria a Ecoglobal Ambiental, com sede em Macaé (RJ), que fechou contratos sem licitação com a estatal nos últimos anos. O sócio majoritário da empresa, Vladimir Magalhães da Silveira, foi levado para prestar depoimento e será liberado em seguida. O Estado tentou contato com a empresa, mas ninguém quis falar sobre o assunto. A PF estaria investigando um contrato específico entre a Ecoglobal e a Petrobrás que não teria sido publicizado.

A Petrobrás contratou Ecoglobal pelo menos duas vezes. Em abril de 2009, a estatal fechou um contrato de R$ 9,5 milhões para serviços técnicos especializados de recuperação de efluentes. Em janeiro de 2010, a petroleira contratou a mesma empresa para serviços de tratamento e descarte de água oleosa, por R$ 4,8 milhões.
Primeira etapa

Alberto Youssef foi preso no dia 17 de março, sob suspeita de lavar dinheiro de propinas de fornecedores da petroleira. A primeira fase da operação focou na atuação dos doleiros. A operação cumpriu 24 mandados de prisão, além de apreender documentação, veículos, obras de arte e joias em 17 cidades de seis Estados e no Distrito Federal. Youssef já havia sido condenado no caso Banestado, esquema montado nos anos 90 de evasão para o exterior de US$ 30 bilhões. Entre os presos estava também o ex-sócio da Bônus-Banval Enivaldo Quadrado, condenado por envolvimento no mensalão.

Três dias depois, Paulo Roberto da Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás, foi preso pela Polícia Federal sob a suspeita de corrupção passiva em razão de suas relações com o doleiro. Em sua casa, a PF encontrou grande quantia de dinheiro em espécie - US$ 180 mil e R$ 720 mil.Costa também é investigado pelo Ministério Público Federal do Rio de Janeiro por irregularidades na compra pela Petrobrás da refinaria de Pasadena, no Texas, Estados Unidos. O ex-diretor foi um dos responsáveis por elaborar o contrato da compra da refinaria. 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar